segunda-feira, 4 de novembro de 2013

Tinder, o Badoo para "gente diferenciada"

Muitos casais já começam a ser criados através do Tinder, como é o caso de Luís e Juliana

Hoje eu conheci o Tinder, um aplicativo de relacionamentos para Android e iOS. Ele é bem semelhante ao Badoo, tradicional rede social de encontros, mas com um grande diferencial: o público-alvo. O Badoo é tipo o Orkut das redes sociais de relacionamento. Já o Tinder é pra pessoas mais "descoladas", "gente diferenciada". Baseado na localização das pessoas, ele é o aplicativo certeiro para flertar na balada.

E é isso que tem atraído cada vez mais usuários. O Brasil já é o quinto país que mais utiliza o Tinder. São Paulo e Rio de Janeiro são as cidades com maior número de adeptos. Em setembro, foi o aplicativo mais baixado na App Store. Números que impressionam e mostram que o brasileiro gosta mesmo é de pegação.

Mas o que espanta é todo esse burburinho para uma rede social que não é novidade alguma. O Badoo, como dito, já existe faz tempo. E com mais ferramentas, diga-se de passagem. Só que lá, me desculpe se você usa, só tem gente feia. É a triste realidade. Só que, como toda rede social, a "era Tinder" há de acabar em breve. Dou mais alguns meses para a febre acabar.

quinta-feira, 17 de outubro de 2013

PlayStation 4 mais caro do mundo não é culpa da Dilma

Preço do PS4 no Brasil é maior que de seu concorrente, que é mais caro nos EUA
A Sony finalmente anunciou o preço do PlayStation 4, nova versão de seu console, que será praticado no Brasil: R$ 3999,00. Isso mesmo, você não leu errado! Praticamente QUATRO FUCKING MIL REAIS num vídeo-game. Mas por que o valor é tão alto? Parte da culpa são dos impostos, claro. Segundo a empresa, entre 60 e 70% do preço do console são taxas.

"Maldito Governo, maldita Dilma", deve gritar o mais desesperado, após ver a expectativa de comprar o novo aparelho já no Natal frustrada. Porém, a culpa não é da Dilma. Nunca foi e nunca será. O alto valor praticado no Brasil é de responsabilidade total da Sony. Como o principal concorrente do PlayStation 4, o Xbox One (da Microsoft), pode custar quase R$ 2 mil reais a menos tendo a mesma carga de impostos? E pior: sendo mais caro no seu país de origem, os EUA?

O Brasil tem altos impostos, isso é fato. Não é atoa que o Big Mac e o iPhone vendidos aqui são os mais caros do mundo - e agora têm a companhia do PS4 nessa lista. Mas muito da culpa desses preços absurdos deve ser creditado às próprias empresas, que sempre visaram (óbvio) o lucro. Ao Governo cabe a parte dele, que é taxar o que deve ser taxado. E ao consumidor, resta aceitar e aguardar que o preço caia.

PS: o PlayStation 3 quando foi lançado no Brasil, custava mais de R$ 8 mil.

sexta-feira, 11 de outubro de 2013

Aplicativo de turismo de Itu é uma boa ideia, só que mal executada

Aplicativo sendo usado em um tablet Android

Baixei o aplicativo Turismo Itu, desenvolvido pela GeoMob Interatividade Digital e encomendado pela prefeitura da cidade. A ideia do app é ser um guia turístico para quem visita a Terra dos Exageros. As principais atrações estão lá. Por enquanto, o programa está disponível apenas para dispositivos Android. Versões para iOS e Windows Phone precisam ser preparadas logo

Achei o aplicativo bem interessante, com recursos legais, mas pouco intuitivo. Sua usabilidade foi pensada para dispositivos com telas grandes, como tablets e phablets (celulares com tela com mais de 5"). Ainda há poucos estabelecimentos cadastrados: na guia "Bares", por exemplo, apenas a casa noturna Anzu e o restaurante Tonilu aparecem.

Esses problemas precisam ser corrigidos, pois o projeto é bem legal. Outra coisa que precisa ser vista é a divulgação: como o público-alvo do aplicativo, no caso os turistas, ficarão sabendo da existência do mesmo? É necessário uma divulgação maciça para que quem visite a cidade baixe o programa e o utilize. Considerações finais: o app é uma boa ideia, mas mal executada.

Se interessou? Baixe o aplicativo aqui.

Voltando aos poucos...

O último post desse blog foi em janeiro. Que vergonha... Vou corrigir esse ato falho. Aos poucos, voltarei a publicar com frequência. O Blog do Roedel não morreu :)